Laura Lima

Nascida em Governador Valadares, Minas Gerais, em 1971, vive e trabalha no Rio de Janeiro. A artista é graduada em Filosofia pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro, além de ter estudado na Escola de Artes Visuais do Parque Lage. Suas obras são configurações conceituais que exploram as fronteiras entre o cotidiano e o absurdo. Desde o início da década de 1990 tem usado os seres vivos como meio. Existe uma certa distância do termo Performance. Nas suas ações ou esculturas é essencial que a peça seja ininterrupta por longos períodos. Paralelamente, a artista participa de diversos grupos de trabalhos com referências que vão desde a história da arte até a ficção científica e as técnicas que variam de desenhos e colagens intrincados a colaborações com artistas e artesãos para peças ativadas pelo usuário. Em 2014 ganhou o Prêmio Bonnefanten.

Em 2019 estará presente na Bienal de arte de Sharjah e no programa de residência da Art Dubai Fair, ambas nos Emirados Árabes Unidos. Participou de inúmeras exposições individuais e coletivas ao longo de sua tragetória, entre as quais: Em 2018 realizou das individuais ‘Wrong Drawings’ na Goodman Gallery, África do Sul, ‘Alfaiataria’ na Pinacoteca do Estado de São Paulo e ‘Cavalo come Rei’ na Fundação Prada, Milão. No mesmo ano participou das coletivas ‘Divided We Stand’ na Bienal de Busan, Coréia do Sul, ‘Lugares do Delírio’ Sesc Pompeia, São Paulo e ‘Forecast / Living Matter’, Haus der Kulturen der Welt, Berlim. Em 2017 realizou a individual ‘A room and a half’, CCA Center for Contemporary Art Ujazdowski Castle, Varsóvia, Polônia. No mesmo ano participou das coletivas ‘Voyage’ na galeria Bergamin Gomide, São Paulo, Brasil, ‘A Invenção da Praia: Cassino’, Istituto Europeo di Design, Rio de Janeiro, e ‘Past/Future/Present’, Phoenix Art Museum, EUA. Em 2016 realizou a individual ‘The Inverse’, ICA Miami. No mesmo ano participou das coletivas ‘Portrait, Illusion and Revelation, Bonnefanten Museum’, Maastricht, Holanda, Trienal de Aichi, Suijo Building, Toyohashi, Japão, ‘Blackness in Abstraction’, Pace Gallery, Nova York, EUA, ‘Brazil, Beleza?! Contemporary Brazilian Sculpture’, Museum Beelden aan Zee, Haia, Holanda.

Suas obras integram importantes coleções como: Bonniers Konsthall, Estocolmo, Suécia; Instituto Inhotim, Brumadinho, Brasil; MAM/SP Museu de Arte Moderna, São Paulo, Brasil; Migros Museum für Gegenwartskunst, Zurique, Suíça; Pinacoteca do Estado de São Paulo, Brasil.