José Bento

 

JOSÉ BENTO, nascido em Salvador, Bahia, em 1962.  Reside e trabalha Belo Horizonte, Minas Gerais. Bento trabalha majoritariamente com entalhe de madeira desde o começo dos anos 80, apesar de também ter trabalhado com vídeo, desenho e fotografia. Exposições das quais participou em museus, galerias e instituições culturais brasileiras e estrangeiras foram palco para o desenvolvimento de suas questões sobre planicidade e tridimensionalidade, como ocorreu nos seus objetos feitos a partir de palitos de picolé. Já em Árvores, uma de suas mais conhecidas séries, o artista aborda questões relativas ao material: a matéria que serve a sua própria forma representativa.  A relação entre a arquitetura dos espaços expositivos e os trabalhos de Bento se mostrou como uma fonte fértil de proposições artísticas em sua carreira, das quais algumas se configuram como site-specifics. Seus trabalhos mais recentes lidam com o status da linguagem na escultura contemporânea e com discussões sobre valores econômicos e financeiros no circuito artístico.

Em 2016, José Bento foi convidado a intergrar a 32ª Bienal de São Paulo. Participou de inúmeras exposições coletivas e individuais, dentre as quais: “Chão de Estrelas”, n’A Gentil Carioca (2015); Electric Blue House, galeria Mendes Wood, São Paulo, e “Correspondências”, Galeria Bergamin, São Paulo, ambas exposições coletivas realizadas em 2013; exposição individual n’A Gentil Carioca, Rio de Janeiro (2012); “1901-2011 Arte Brasileira e Depois, na Coleção Itaú”, Paço Imperial, Rio de Janeiro (2011); “Poética da Percepção”, Museu de Arte Moderna no Rio de Janeiro, Rio de Janeiro (2008); Coleção do MAP no Espaço de Arte Pythagoras, Museu de Arte da Pampulha, Belo Horizonte (2006). Em 2004, suas esculturas foram expostas no Museu de Arte de Pampulha em 2004, Belo Horizonte. Bento também foi um dos artistas expostos no 29º Panorama de Arte Brasileira, MAM / SP 2005.