Jarbas Lopes

JARBAS LOPES trabalha com materiais banais, buscando sempre reconfigurar os objetos dando-lhes um novo significado, movimento este sempre permeado por um tom crítico. Assim, o trabalho dele cria um dialogo com espaços públicos e sociais: sua preocupação principal na acessibilidade da experiência estética e interação social. Entretanto, Jarbas Lopes não é um artista político e sim um artista que produz arte de uma forma política: seu trabalho é centrado em volta de como a sociedade é formada pelas pessoas.

Formado em Artes Plásticas pela Escola de Belas Artes da UFRJ. Participou de exposições como “Off the grid”, na Galeria Lehmann Maupin, em Nova York (2002); 8ª Bienal de Havana (2003) e “Gambiarra – New Art from Brazil”, em Londres (2003). Seus trabalhos intergam acervos como os da Tate Modern, em Londres; MOMA, em Nova York e Inhotim, Minas Gerais. Integrou a 27° Bienal de São Paulo, 2006. No ano de 2007 realizou uma expo individual “Novas Utopias” no Museu de Arte Moderna Aloisio Magalhães em Recife, Brasil; “Cicloviaérea” no ASU Museum of Art, Phoenix, EUA. Em 2008, “Estação Clicloviaérea” esteve no Centro Cultural São Paulo, e no ano de 2009 expôs “Padedéu” na Galeria Luisa Strina, São Paulo, Brasil; “Com Piada” na Baginski Gallery, Lisboa, Portugal; e no ano de 2013 realizou as exposições “Vamos a Marte”, na A Gentil Carioca, Rio de Janeiro, Brasil; e “Aline” na Galeria Jack Tilton, Nova York, EUA. Em 2017, Jarbas teve um solo show no CRAC Alsace, França.